02 fevereiro 2006

202) Barulho de sabre, outra vez?


"Por que não atacar o Irã?", Folha de São Paulo, Mundo, 02/02/2006
David Sanger, do New York Times
ANÁLISE

Diplomatas não param de repetir o mesmo refrão: não existe opção militar quando se trata de retardar, o que dirá suspender, as supostas ambições do Irã de obter a bomba atômica. Os europeus o dizem. Os chineses, que precisam do petróleo iraniano, e os russos, que ganham bilhõ es suprindo o setor nuclear civil iraniano, dizem-no enfaticamente.
Nem os falcões da administração Bush fazem ameaças. Mas, se a diplomacia fracassar, os EUA têm uma opção militar? E o que fazer se não a tiverem?
"É bobagem afirmar que não existe solução militar para este problema", afirmou W. Patrick Lang, ex-chefe da inteligência no Oriente Médio da Agência de Inteligência da Defesa. "Pode não ser uma solução desejável, mas existe, sim, uma solução militar."
Lang foi direto para o cerne de um dilema cuja existência é reconhecida pela administração Bush: sob uma política promulgada por Bush em 2002, o Irã poderia virar estudo de caso para a adoção de uma ação militar preventiva contra uma ameaça crescente. Mas, mesmo que a destruição das instalações iranianas retardasse o dia em que esse país terá acesso a armas nucleares, essa iniciativa afastaria os aliados dos EUA e provavelmente transformaria em inimigos muitos iranianos que hoje rejeitam seu governo teocrático. E o Irã simplesmente possui maneiras demais de retaliar, no mercado petrolífero, no golfo Pérsico e através do Hizbollah.
"Poderíamos fazê-lo?", perguntou recentemente um funcionário da administração que participou ativamente do planejamento da invasão do Iraque. "É claro que sim. Poderíamos administrar as consequências? Duvido."
O funcionário disse que temores semelhantes levaram o presidente Bill Clinton a pensar duas vezes sobre a possibilidade de lançar um ataque contra a Coréia do Norte em 1994. Mais tarde no mesmo ano, Clinton fechou um acordo para o congelamento das instalações de produção nuclear desse país. Mas em 2003 tudo foi descongelado, e agora, segundo estimativas da CIA, a Coréia do Norte já possui combustível suficiente para pelo menos meia dúzia de bombas.
Os iranianos observaram atentamente o que aconteceu na época, e hoje, em Washington, a experiência com a Coréia é levada em conta em discussões de diplomacia versus força, que raramente ocorrem de maneir a oficial.
O problema não é que faltam alvos para Washington. Muitas das instalações nucleares do Irã, ou pelo menos aquelas das quais têm conhecimento as agências de inteligência americanas, ficam em plena vista ou em locais subterrâneos cuja construção foi registrada por satélites de espionagem. O problema é o das consequências globais que teria um ataque contra essas instalações, com o objetivo de tirá-las de funcionamento.
"A ironia é que a situação é o oposto do que havia no Iraque", comentou John Hamre, que foi vice-secretário da Defesa entre 1997 e 1999. "Sabemos muito sobre o que o Irã possui porque os inspetores internacionais estiveram lá." Os relatórios dos inspetores ajudaram os planejadores do Pentágono, que, ao imaginar todos os cenários possíveis, já mapearam as instalações iranianas mais vulneráveis.
"Eliminar o programa nuclear não é possível, mas, com os ataques corretos, seria possível retardá-lo de maneira decisiva", disse Ashton Carter, da Univers idade Harvard, especialista em problemas de proliferação.
"Estamos falando de algo como mil ataques", disse Lang. "Seriam necessários meios diversos para garantir que tudo fosse atingido." Outros ex-funcionários afirmam que seriam menos ataques.
Israel, que vê o programa nuclear iraniano como ameaça a sua existência e que já falou muito mais abertamente sobre a opção militar, fez uma avaliação semelhante. Mas disse que não possui o poder aéreo necessário.
De qualquer maneira, uma coisa é falar sobre tais ataques em termos militares, e outra é analisar seus custos políticos.
"Uma campanha de bombardeios faria o país inteiro se unir em torno de seus líderes radicais", disse Hamre. "Isso é o oposto do que estamos tentando conseguir no Irã", que é convencer uma população viajada, instruída e, em alguns casos, pró-americana a instaurar uma liderança de natureza muito diferente.
Mas, se o Irã sabe que, em última análise, os EUA e seus aliados não têm estômago para recorre r a meios militares para forçá-lo a anuir a suas exigências, qual será seu incentivo para abrir mão de seu programa de armas?
Algumas das ameaças iranianas de retaliação podem ser exageradas. Um diplomata europeu de alto escalão envolvido nas conversações com o Irã qualificou a maioria delas como "conversa que visa comprar tempo para o Irã". Entretanto, ele acrescentou, "isso pode funcionar".

Tradução de Clara Allain

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home